segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Como fica o PC de R$ 999?

Dólar mais alto: como fica o PC de R$ 999?

Com a recente valorização do dólar que chegou a bater R$ 1,90 na semana passada, como fica o mercado de varejo de PCs? É melhor comprar agora ou dar um tempo pra ver o que acontece? A primeira coisa: o mercado de varejo é dividido em dois segmentos distintos: um dos modelos importados, equipamentos mais sofisticados/topo de linha que vêm de fora prontos, já que nossa demanda não justifica sua produção local. O segundo é o dos modelos montados no Brasil, na sua maioria modelos de entrada e alguns mainstream.

No caso dos importados, não há muito o que filosofar, já que seu custo varia de acordo com a cotação do dólar. Assim a tendência é que os preços se mantenham estáveis enquanto houver estoque nas lojas. Só que na hora de repor os estoques, é bem provável que o importador repasse essa qualquer diferença a mais do seu custo para o lojista, que vai repassá-la para o consumidor.

Sob esse ponto de vista não a resposta é simples: se você está namorando um equipamento importado na loja e o preço estiver dentro do que você considere justo, melhor fechar logo o negócio.

Já nos modelos montados aqui, a coisa meio que complica, já que outros fatores devem ser levados em consideração. O principal deles é que, por mais “Made in Brazil” que esses equipamentos sejam, a maioria de seus componentes eletrônicos — em especial partes como o processador, memória, chipsets e outros componentes — vêm de fora e são cotados em dólar.

O que acontece nesse caso é que o impacto da moeda americana nos preços finais será um pouco mais lento, já que esses novos custos irão entrar aos poucos na dinâmica da produção e isso só quando os produtos disponíveis em estoque (tanto na fábrica quanto nos canais de distribuição) também se esgotarem.

Os fabricantes não acreditam em elevação imediata dos preços entre os modelos de entrada, mas aumentos futuros não podem ser ignorados caso a cotação do dólar continue a subir ou se estabilize em patamares acima dos praticados até agosto deste ano. A favor disso, vale a pena lembrar que a medida que chegamos no final do ano existe uma tendência natural de alta do dólar (= natal e ano novo, alta temporada, verão, viagens de férias, etc.) seguido de uma tendência de queda que dura de janeiro até o Carnaval.

E como ficam os PCs de R$ 999 ou menos? O bom senso nos diz que, como nesse segmento as margens de lucro são bastante reduzidas, o aumento de preços depende da estratégia de cada fabricante que podem decidir por segurar seus preços com a expectativa de manter (ou até mesmo de aumentar) sua participação do mercado ou esperar que essa tendência de alta passe. Outra possibilidade é que aos poucos os preços subam para um novo patamar — digamos R$ 1.100 — e a partir daí, negócios continuam iguais.

Assim, é a hora de comprar seu PC de R$ 999? Para quem tiver o dinheiro em mãos e quiser se garantir, a resposta é sim. Mas para quem ainda estiver em dúvida, a boa notícia é que você pode ter algum tempo — mas não muito — para refletir sobre esse assunto.

Fonte: ZTOP

0 comentário